Repensando em como eu tenho tratado meu marido (repensei mesmo)

O  intuito deste blog não é de ficar pegando textos na Internet e ficar postando.
Não vejo muito sentido nisso…

Aliás, eu deixei de seguir muitos faces, insta e blogs referente a maternidade, porque era muito mimimi
Não pode fazer isso, não pode falar aquilo, não pode mais aquilo outro… Um porre.

Mas me deparei com um texto que eu achei bem interessante, confesso que me fez repensar na minha maneira de agir e quero melhorar isso.
Não é sobre maternidade, mas sim, sobre vida a dois.
Pra mim foi um tapa na cara e a impressão que eu tive lendo tudo, foi que a pessoa que escreveu, estava dentro da minha casa!
Soube que esse texto se tornou viral nos Estados Unidos e entendi muito bem o porque.

Me vi muito nesse texto, vi minhas amigas, as mesmas reclamações de quase todas elas.
Não sei ainda se é reclamação ou desabafo. Acho que tá mais pra desabafo.
AHAHAHAHAHAHAHA, estou repensando mas continuo achando o marido atrapalhado e que muitas vezes não vai conseguir fazer determinada coisa sozinho, vou continuar achando que uma pro atividade em casa seria o ideal… rs (Eu disse que quero melhorar….)

Enfim… vale a pena a leitura.
O texto não tem o nome do autor e encontrei ele traduzido no Blog Mamãe Real

O texto original está nesse link: Woman Realizes That She’s Been Accidentally Abusing Her Husband This Whole Time… Wow.

 

Uma jovem mulher percebe que tem abusado do marido por anos sem se dar conta

Minha ficha caiu por causa de um pacote de hamburguers. Eu pedi ao meu marido para parar na loja pra comprar algumas coisas pro jantar. Quando ele chegou em casa, ele colocou as sacolas em cima da mesa e eu percebi que que ele tinha comprado um hamburguer diferente do que eu normalmente compro.

Eu perguntei: “o que é isso?”

“Hamburgers congelados” ele respondeu, meio confuso.

“Você não comprou o tipo correto”, eu disse.

“Não? Por que?” Ele respondeu com sua testa enrugada.”

“Eu sempre compro hamburguer feito com carne de primeira e este é de segunda”.

Ele sorriu e disse “Ah, é só isso? Eu pensei que eu tivesse me confundido com algo grande”

Briga
Imagem: Getty Images

E foi assim que começou. Eu dei um sermão pra ele. Eu reclamei que ele não era inteligente. Por que ele não comprou a carne de melhor qualidade e mais saudável? Ele leu a embalagem? Por que eu não posso confiar nele? Eu também me indignei porque como poderia ele não notar nestes anos todos que eu sempre compro o hamburguer de primeira? Será que ele nunca presta atenção em nada?

E enquanto ele ouvia minha indignação por causa do hamburguer, murmurando que não era um problema tão grande e que ele iria comprar o correto da próxima vez, eu vi seu rosto mudar de expressão. Eu já via esta expressão algumas vezes nos últimos anos. Uma mistura de desmoralização e resignação. Parecia com a cara que meu filho faz quando é corrigido. E eu pensei: “Por que eu estou fazendo isto? Eu não sou a mãe do meu marido!”

E eu subitamente me senti terrível. E envergonhada. Ele estava certo. Não era algo tão importante pra eu ficar tão irritada. E eu perdi a cabeça por causa de um pacote de hamburguer que ele generosamente parou pra comprar assim como eu tinha pedido. No meio de me sentir envergonhada, eu apenas murmurei algo como “ah, vou ter que me virar com este hamburguer mesmo” e fui começar o jantar.

Ele parecia aliviado que a discussão tinha acabado e saiu da cozinha.

E então eu me sentei e pensei honestamente sobre o que eu tinha acabado de fazer. Algo que eu já tinha feito tantas outras vezes, provavelmente.

O “momento do hamburguer” certamente não foi a primeira vez que eu dei uma bronca no meu marido por não fazer as coisas como eu acho que deveriam ser feitas. Lembro-me de várias vezes que o critiquei por colocar algo no lugar errado ou esquecer alguma coisa e eu estava sempre ali pra mostrar pra ele seu erro.


SONY DSCPor que eu faço isso? Que benefício me traz sempre diminuir meu marido? O homem
que eu recebi como meu parceiro pra vida toda. O pai dos meus filhos. O homem que eu quero ter ao meu lado pra sempre. Por que eu faço aquilo que muitas vezes as mulheres são acusadas de fazer: tentar mudar o jeito que ele faz cada pequena coisa? Será que estou indo a algum lugar com isso?

Por que o meu jeito tem que ser o jeito certo e o jeito dele o jeito errado? Desde quando se tornou correto corrigi-lo e apontar cada coisa que ele faz que não é como eu gostaria?

E como isso o beneficia? Será que isso o faz pensar: “Uau, certamente eu sou sortudo dela me colocar na linha o tempo todo.” Eu duvido. Provavelmente ele acha que eu estou no pé dele sem motivo e o leva a se afastar.

Esses dias achei um caco de vidro no lixo. Perguntei a ele o que tinha acontecido. Ele me disse que quebrou um copo mas preferiu não me falar pois não queria que eu reclamasse por causa disso.

Outro dia encontrei um par de meias no lixo. Peguntei a ele o que tinha acontecido. Ele me disse que tinha por acidente colocado as meias brancas junto com a roupa colorida na máquina de lavar. Quando viu as meias manchadas, preferiu jogá-las do que me ouvir dizer pela centésima vez como separar as roupas brancas das coloridas.

Então chegamos a um ponto que ele achava mais fácil e menos estressante esconder as coisas do que admitir que ele cometeu um pequeno erro. Que tipo de ambiente eu criei que o faz acreditar que ele não pode cometer erros?

E vamos dar uma olhada nestes “erros”. Um copo quebrado. Meias manchadas. Erros normais que qualquer um pode fazer. Mas ele estava certo. Muitas vezes quando ele cometia um pequeno erro, eu passava um sermão de como as coisas deviam ser feitas. Ele sempre ouvia por um tempo e depois dizia: “acho que essas coisas não são tão importantes pra mim.”

Agora eu entendo o que ele queria dizer: “estas coisas que te deixam tão chateadas são pequenos detalhes, uma questão de opinião, uma preferência, e eu não vejo porque fazer uma guerra disso.” Mas eu interpretava como se ele não se importasse comigo ou se como ele não entendesse as coisas. No meu inconsciente eu pensava que eu era a que fazia as coisas funcionar aqui em casa.

Eu comecei a observar minhas amigas e notar as coisas que elas reclamavam nos seus maridos e comecei a perceber que não estava sozinha. De alguma forma, muitas de nós acreditamos na mentira de que a esposa sempre sabe melhor e é o cérebro da casa.

É um estereotipo fácil de se acreditar. Olhe na midia. Tvs, filmes, propagandas. Cheios de maridos bobões com esposas inteligentes e sabem-tudo. Eles não sabem cozinhar. Eles não conseguem cuidar das crianças. Se você pedir pra ele comprar duas coisas, ele vai voltar com duas, e uma delas estará errada. Eles são todos iguais. Dia a dia estas são as imagens que vemos na mídia.

O que essa constante reclamação e murmuração faz é enviar uma mensagem aos nossos maridos de que nós não os respeitamos. Nós não acreditamos que eles sejam inteligentes o suficiente pra fazer as coisas certas. Nós já sabemos que você vai fazer besteira. Se ele for um homem seguro, provavelmente ele vai se sentir ressentido com você. Se ele for inseguro, possivelmente ele vai começar acreditar em você e achar que ele não sabe fazer nada direito. E nenhuma destas respostas serão boas e benéficas pra vocês e nem pro casamento.

E quando penso em situações opostas, quando eu fui quem cometi os erros, vejo que ele foi muito mais graciosos comigo porque ele não fica querendo me mudar em cada pequeno detalhe.

Monte Verde 157O ponto central em tudo isso é que eu escolhi este homem como meu marido. Ele não é meu empregado. Ele não é meu escravo. Ele não é meu filho. Quando eu casei com ele, eu não achava que ele era um estúpido. Ele não precisa ser repreendido por mim só porque eu não gosto do jeito que ele faz certas coisas.


Quando eu entendi isso, eu comecei a perceber todas as coisas boas nele. Ele é inteligente, uma ótima pessoas, ele é otimo com as crianças. Além disso, ele não me repreende cada vez que eu faço algo diferente do que ele, pelo contrário, ele cede muitas vezes pro meu jeito de fazer as coisas. E em vez de focar nestas coisas, eu estava focando só no negativo. E eu sei que não sou a única que faço isso.

Se nós continuarmos a fazer nossos maridos se sentirem mal porque eles cometem erros ou não fazem as coisas exatamente como gostamos, é bem possível que eles parem de se envolver ou começem a acreditar que eles são incapazes mesmo.

No meu caso, estou falando do meu companheiro de muitos anos. O mesmo que troca o pneu do meu carro na chuva, que cuida de mim quando estou doente, que ensinou nossos filhos a andar de bicicleta.

O homem que sempre trabalhou duro pra proporcionar uma vida decente para nós. E as vezes eu fico brava por causa de um prato fora do lugar.

Desde que percebi isto, estou mudando, e o clima aqui em casa melhorou muito. Estamos mais a vontade um com o outro e nos vemos como companheiros do mesmo time em vez de oponentes. Aprendi até a ver que o jeito dele de fazer as coisas é muitas vezes melhor que o meu.

São necessárias duas pessoas para que uma parceria aconteça. Nenhum está sempre certo e nenhum está sempre errado. E nem sempre veremos as coisas exatamente do mesmo jeito. Você não se torna melhor, ou mais inteligente, ou superior por apontar cada coisinha que não é como você queria. Amigas, lembrem-se, é apenas carne para hamburguer!

 

Os encantos e desencantos da gestação

Gravidez…

Tá aí, uma situação que eu fugi, fugi e acabei sendo surpreendida.
Eu nunca esperei pelo glamour da maternidade, nunca acreditei naquela coisa que aparece em capa de revistas, tudo lindo e maravilhoso, a mulher sempre sorridente alisando a barriga…

 
Na primeira semana em que eu descobri a gravidez, minha sogra tava fazendo farofa com linguiça. Eu estava extremamente incomodada e não sabia porque, foi quando a Lucia me chamou pra ir ao mercado.
Que alívio sair daquela cozinha!! O cheiro que antes seria uma delicia, se tornou algo insuportável.
No mercado ao passar pela sessão de carnes, um show de horror. A impressão que eu tinha era que a carne tava estragada!
Bife? Nem pensar!!! O Ednaldo ia preparar a janta e eu ficava trancada no quarto.
Mas o cheiro não pede licença né?

Detestei o nariz de cachorro…
O cheiro de tudo fica mais apurado!
Outra coisa que eu não suportava era quando o Ednaldo saía do banho e vinha aquele cheiro de sabonete!! Pra mim todos fediam!
Até que ele se irritou e falou: -Só fatava você falar que não é pra eu tomar banho sem sabonete!!

Sim, minha vontade era que fosse assim. ahahahahahahahhahahaa mas essa vontade ele não fez não.

E fazer xixi em banheiro público?
Normalmente já é um porre, você segura a calça pra não encostar no chão e na privada, aquele cabelo caindo na cara, bolsa atrapalhando, aquela barriga imensa pra te ajudar ainda mais.

Levantar da cama sem parecer uma tartaruga com o casco virado pra baixo também é algo impossível.
Daí você joga as pernas pro alto para pegar impulso e aí então fica fazendo gangorra até conseguir sentar.
Andar por muito tempo tambem começa a ficar complicado, sentia muitas dores embaixo da barriga.

No finalzinho da gravidez… os inchaços.
Pés inchados, nariz inchado, uma coisa bizarra que eu nunca tinha ouvido falar, mas eu vou falar… ahahahahaha
Até a periquita incha gente, é um negócio muuuuito bizarro.

O humor também é uma coisa que tipo…
Pode considerar uma mulher grávida, 9 meses na TPM!

Maaaaas, tem a parte boa também.
Eu não podia sentir o cheiro de carne mas em compensação sentia muita vontade de comer frutas e salada!
Hahahahahahahhaha era bizarro, eu acordava de madrugada pra comer salada!
Qual a parte boa nisso??
Eu emagreci na minha gestação, na minha última consulta eu estava com o mesmo peso de quando comecei o pre-natal.
Quanto eu pesava?
Há, não interessa! kkkkkkkkk

Furar fila também faz parte do lado bom
Hmmmm, e a sensaçao do bebê mexendo na sua barriga que é indescritível, a melhor de todas as partes boas da gravidez!

Ah! Minha pele e meu cabelo também ficaram assim… Uma beleza! Pele de pêssego e os cabelos fortes e brilhantes (que depois que o bebê nasce, cai aos montes e por um momento achei que ficaria careca)

Como podem ver a minha lista, o lado negativo da coisa é bem maior né?
Não, não é fácil e ainda dizem que a mulher é o sexo frágil!

Já ouvi mulheres dizerem que a gestação foi tipo capa de revista, não sentiram nada de ruim. Que sorte a delas!!! Rs

E em meio a tudo isso, ainda tem a pressão sobre que tipo de parto eu quero…
Mas esse é um assunto para um outro dia!!!

E viva o glamour da maternidadeeeee!!!

Pagando a língua: Meu filho só vai dormir no berço

CamaQuem mete e metia o pau em quem deixava o filho dormir no meio, põe o deeeeedo aaaqui!!!

Quem tá pagando a língua porque julgava quem deixava o filho dormir no meio, põe do deeeeedo aaaqui!!!
É, maternidade é isso, pagar a língua sempre… É impressionante.

A questão é que no nosso caso, Pedro só dormir na nossa cama não é uma regra.
Desde que ele veio para casa depois de 24 dias na UTI e mais 15 dias na casa da tia, ele sempre dormiu no berço.
A cama compartilhada começou há um ano quando estava uma noite muito gelada e o pai ficou com dó de deixá-lo dormir sozinho no frio e botou ele entre nós para dormir.

Foi quando eu vi que era o melhor dos mundos!!!
Ele acorda para mamar, já está ali do meu lado, eu apenas coloco o peito pra fora e ele ainda deitado mama e eu volto a dormir.
Kkkkkkkkkkk e assim os dias foram passando, tem dias que ele dorme no berço e de madrugada vem pra cama.

Tem muitos dias que ficamos só eu e ele na cama e o pai vai pro sofá porque ronca muito e nenhum dos dois dorme! Eu não durmo com o barulho da britadeira e ele não dorme porque eu fico cutucando pra ele virar a barriga pro lado! Só que ao invés de virar a barriga ele vira só a cabeça! (A verdade é que eu não queria dormir feito um bebê, eu queria dormir feito um pai)

Tem dia que o pai vai direto pro sofá porque diz que quer dormir direito e ficamos eu e Pedro na cama, direto.

roncoComo tem dia que o Pedro fica no berço dele, o pai vai pro sofá e eu vou pra cama! Estamos todos cansados precisamos dormir sem interrupções (até a hora que o Pedro acorda querendo mamar e aí, acabaram-se os planos de dormir direto)

Não é uma regra ele só dormir com a gente.
Não tem desculpas porque ele dorme com a gente, não é o frio, não é medo que ele pare de respirar, muitas vezes é sim a febre, o resfriado…
Mas eu deixo ele dormir com a gente, porque a gente gosta, é uma delícia aquela mãozinha no nosso rosto, o pézinho na barriga…
Como tem casal que não gosta e não admite o bebê na cama

Cada um se adapta com a sua rotina.
Eu já falei muito e ouço muito também: -Ahhh, ele vai ficar mal acostumado.
Mal acostumado com o que???
Estou tirando você da cama pra por o meu filho? Não.
Você dorme comigo? Não.
Você que acorda pra buscá-lo no berço pra amamentar? Não
Ele dorme em outro lugar sem ser a MINHA cama? Sim

Também já falei muito e ouço muito: -E a intimidade do casal?
Mais criatividade minha gente, ahahahahahahahahahahaha
Vida sexual depois do filho, precisa de muito malabarismo, mas temos vida sexual sim!
Talvez não mais na mesma frequencia (meu marido vai me matar se souber que estou dizendo isso), mas a realidade é essa.

O que eu aprendi é que cada um sabe onde aperta o seu calo.
Hoje estou pagando a língua com muitas coisas que eu julgava ser errado ou que eu nunca faria e sei que tenho muito para pagar ainda.
Muitas coisas eu não concordo, mas não quer dizer que é certo ou errado.
Não concordo ou eu faço e faria diferente. Cada cabeça sua sentença.
Como o que eu faço muita gente não concorda e faria diferente.
Isso também não quer dizer que eu nunca vá falar da forma que outras mães agem. hahahahhahaha
Ai gente, isso é do ser humano, falar, falar e falar.

A vida é muito curta e eu quero aproveitar esses momentos com o Pedro.
Amanhã ele não vai mais querer dormir com a gente, não vai mais ter essa mãozinha fofa e quentinha no rosto enquanto dorme… deixa eu curtir meu filho!

E viva a cama compartilhada!!! rs

 

Lugar para levar os pequenos em SP

Tá aí uma das mudanças da maternidade.

Os programas mudam né??
E aí que, fomos num playland para bebês no shopping, mas além de muito cheio, é caro…
Nessa brincadeira, conhecemos vários lugares bacanas para levar os filhos, um deles é o SESC.
Sei que além do SESC Belém, que é onde fomos, tem outros onde tem o “Espaço de Brincar”.

SESXTrata-se de um espaço bem grande com tapetes de EVA, com alguns cubos de cerca de 1,20m onde as crianças brincam dentro dele.
Um deles é todo espelhado com cilindros almofadados (é assim que escreve??), Pedro amo
Tem um outro com recortes e vidros coloridos e dentro dele, muitos bichos de pelúcia.

O espaço é bem adaptado para crianças e eles dizem que o espaço é para crianças de 0 a 6 anos.
Percebi diferença nos brinquedos da primeira vez que eu fui e hoje, mudaram.

Outro lugar do SESC que o Pedro pirou, foi o chão de vidro, que fica bem em cima da piscina olímpica.
Pedro amou ver as pessoas nadando lá embaixo.

O melhor??? É de graça!
Não precisa ser sócio para usar esse espaço!

Pedro brincou muito, deixou eu e o Ednaldo cansados também.
Dois gordinhos mórbidos sedentários, dá nisso. kkkkkkkkkkk
Não aguenta correr atrás do moleque! (Já estamos trabalhando isso)
E falando em gordinhos, CLARO que eu ia falar de comida né.
O restaurante de lá é muito com, comida simples e gostosa e preço bacana, tem uma fila kilométrica, mas o Pedro é meu passaporte e não preciso pegar fila!!! hehehehe

A deliciosa e cansativa amamenatação prolongada

Quero falar da amamentação prolongada.
Quando Pedro nasceu, a amamentação era uma incógnita, foram 24 longos dias na UTI (assunto para um outro post) e a primeira vez que levei o Pedro ao pediatra, ele ficou impressionado que depois do Pedro ficar tanto tempo internado, eu tinha leite e ele mamava horrores no meu peito.

Eu sempre deixei as coisas acontecerem, então não tinha essa de só mamar a cada 3 horas.
Quando ele queria eu dava! Ás vezes era a cada 2 horas, ás vezes 3… ás vezes menos….
Depois que eu vim saber que chamavam isso de “livre demanda”.
Marido queria morrer de catapora, pois eu não ficava me escondendo pra amamentar não.
Ele não perdia a oportunidade de vir com a fralda pra eu tampar… até o dia que estávamos no shopping, tentando almoçar, Pedro mamando e ele veio com a maldita fralda para eu cobrir o peito e consequentemente a cabeça do menino.
Me stressei, joguei a fralda de volta e falei: -Pega essa fralda e cobre a sua cabeça pra almoçar… deve ser gostoso.
AHAHAHAHAHAHAHAHA, nunca mais me perturbou.

O tempo foi passando, e dá-lhe tetê.
Amamentei exclusivamente até os 6 meses como manda o figurino, começou a introdução alimentar e tentei entrar com o leite em pó, ou fórmula como dizem as mamães e pediatra.
Não consegui. Pedro cuspia tudo.
Desencanei, pois como deixei de trabalhar para ficar com ele, deixa mamar nas tetas né?
Como todos sabem, o aleitamento materno é o que há de melhor para o bebê, como o Pedro não pegou mamadeira, eu pensei: -Será que consigo amamentar até os 2 anos?

Então, com 1 ano e 3 meses, ele começou a ir para a creche.
Pensei que assim, ele se afastaria naturalmente do meu peito e passaria a tomar o leite na creche.
Me enganei, ele cospe todo o leite.
Já tentei de tudo! Até leite de vaca eu dei!! Leite com chocolate, com mucilon…
NADA!!! Ele cospe sem ao menos engolir…
Atualmente, depois de quase 4 meses na creche, ele continua não tomando o leite e só quer saber das minhas tetas!
Antes de sair da creche eu preciso amamentá-lo, para eu ter sossego no carro.

01Amamentar é uma delícia, adoro, mas está ficando mega cansativo.
Ele passou dos 11 kilos, é grandão, as minhas madrugadas estão tensas.
Pois quando ele era bebêzinho eu pegava ele no berço, amamentava no sofá e levava ele de volta pro berço.
Hoje eu não aguento não, ele dorme comigo na minha cama (e viva a cama compartilhada), quando ele quer mamar ele mesmo levanta a minha blusa e tá tudo certo.
Mas gente, não estou aguentando mais não, pois ele largou as chupetas tem uns dois meses.
Esqueci de levar pra creche e ele não pediu mais.
Mas meeeeeu, o que adianta não querer as chupetas e minhas tetas virerem chupetas???
Ele dorme, eu enfio a chupeta mesmo, mas ás vezes não rola e ele dá o maior show
Eu estou percebendo que quanto mais o tempo passa, mais difícil vai ser tirar isso dele, não sei como fazer.

Algumas vezes eu finjo que não estou vendo, ele passa por cima de mim, enfia o dedo no meu nariz, até morder ele já me mordeu hahahahahahahaha. Fora o escândalo que ele faz…

O que eu sei é que eu acordo mega cansada (sim, amamentar cansa), acho que se ele tomasse uma mamadeira antes dele dormir, nem acordaria de madrugada para mamar, mas ele rejeita tudo, tem dias que fico com o bico do peito todo esfolado.
Pior que é mamando de um lado e a mão fazendo bilu bilu no outro peito.
E ai de mim não deixar

Ainda pretendo amamentar até os 2 anos. A não ser que meu leite seque, daí não faz sentido nenhum esse marmanjinho grudado nas minhas tetas né.
Mas enquanto eu tiver, porque não??? É de graça, faz bem e acaba comigo. hahahahahahahaha
Alguém tem alguma idéia de como tirar essa mania? Chupeta não tá rolando…
SOCORRO!!!!

Ah! Hoje a Bia estréia no meu Blog com a sua primeira ilustração para ele!!! Ela será minha parceira, ajudando a dar uma colorida por aqui.

A descoberta da gravidez: Susto, Medo e Mudanças

Bom, não era segredo para ninguém que eu adiava essa questão de filhos assim, absurdamente!!!
Na verdade eu não adiava, eu falava para as pessoas “só depois da Copa”, que era para elas pararem de encher o meu saco!!!
Sim, essa cobrança é irritante.
Eu tinha pavor de pensar que não poderia fazer mais tudo o que eu fazia, pensava na questão financeira, no meu sono, birras, choros e muitas outras coisas.

Até que eu me perdi nas pílulas e pensei: -Ah! Já tá tudo cagado mesmo, vou jogar fora essa cartela e volto a tomar direito no próximo mês!
Sim, eu já havia feito isso antes e mais de dois anos se passaram e a caixinha está guardada até hoje.

Havia acabado de baixar um app para o celular do meu ciclo menstrual.
Até que um belo dia, meu celular piscando: 5 dias em atraso.

Ignorei…
No dia seguinte, naaaaaada de vir a menstruação e aquele negócio piscando na tela e martelando a minha cabeça: -6 dias em atraso.

Lembro como se fosse ontem.
Era uma quarta feira, marido foi para um happy hour, então comprei 2 testes.
Aquele da fitinha xexelenta e nojento de fazer, e o teste da canetinha rosa.
Comprei esses testes meramente para desencargo, pois eu tinha certeza que daria negativo.

Primeiro teste, o da fitinha xexelenta que precisa mergulhar no xixi.
Não deu nada!!! Ufaaaaaaa!!!
Segundo teste, da canetinha rosa…
Apareceu a segunda tarja cor de rosa bem clarinho.
O pânico tomou conta de mim e eu pensei: -Fodeu!!!

Fiquei uns 40 minutos deitada na cama, estatelada, olhando pro teto, apenas respirando.
Gente, eu tinha acabado de montar um escritóriozinho no outro quarto, ainda pagando tudo aquilo!!! Escrivaninhas, cadeiras…
Eu levantei, fui pro outro quarto, acendi a luz e pensei: -Onde eu vou enfiar tudo isso?

Mas ainda restava uma esperança.
Sabe aquela coisa da negação? Não quero, não quero, não é verdade…
Um teste que não deu em nada e outro positivo, ainda tinha o exame de sangue!
Daí eu pensei: -Vou esperar o Ednaldo chegar, falar que não estou bem e ele me leva ao hospital e lá eu faço o exame de sangue!
Gente, marido chegou por volta de 23:00 chapadinho… como ele ia dirigir???
Eu também não queria falar sobre o teste, para não criar a falsa expectativa, pois ele queria muito e eu não.
Daí não queria deixá-lo frustrado, já que o exame de sangue, daria negativo né?? Hahahahahahahaha

Só sei que me restou ir dormir e esperar pelo dia seguinte.
Assim que cheguei no trabalho, comprei outro teste da canetinha.
Fui ao banheiro e tcharaaaaaaaaan!!! A mesma coisa, a segunda tarja rosa clarinho aparecendo.

Eu não queria contar pra ninguém antes do pai saber, mas não podia segurar aquilo só pra mim né?
Então virei pra minha amiga (estávamos só nós duas na empresa, pois só nós entrávamos as 07:30)
Eu: -Elis…
Quando ela viu o teste: -Ihhhhhhh Cris…

Pronto, não consegui mais pensar em porra nenhuma, muito menos tinha cabeça para trabalhar.
Então fui direto pro Hospital fazer o exame de sangue e esperar na maior ansiedade as 4 horas para o resultado sair.
HAHAHAHAHAHAHA, pessoa tranquila que sou, a cada 10 minutos dava um F5 no teclado pra ver se o exame aparecia!

O resultado era positivo mesmo, eu não sabia se ria ou se chorava.
A Elis me perguntando se eu não ia contar pro pai.
Como dar uma notícia dessa por telefone???
Daí como quem não quer nada, sugeri a ele que fossemos jantar fora e por um milagre, o meu rabugentinho aceitou. (Sim, rabugentisse define o meu marido.)
Na hora do almoço comprei um sapatinho amarelo e um babador, coloquei na caixinha junto com o resultado do exame e enfiei na bolsa.

Está aí o resultado:

Teste

Chegamos no restaurante, jantamos normalmente e enquanto a sobremesa não vinha, eu dei a caixinha pra ele
Ele disse que quando abriu a caixinha, achou que eu estava querendo dizer que eu estava disposta a engravidar! AHAHAHAHAHAHA
Depois ele me disse que não sabia se gritava, pulava, me abraçava, ficou sem reação.
Nem sobremesa ele quis comer!

E aqui, o vídeo da cunhada louca!!! AHAHAHAHAHAHAHA
Será que ela queria muito esse sobrinho???

E aí onde tudo começou

A gestação? Ahhhhhhh, renderá assunto para o próximo post.
Mas já posso adiantar que o glamour que nós vemos na televisão e revistas, não existe e sim… vou contar T-U-D-O!!!!

 

Começando o Éramos Dois

E depois de tantos pedidos… estou aqui com o meu blog.

Inicialmente com esse layout xexelento, pois até eu acertar como eu quero, demora um pouco e eu estou um tanto quanto enferrujada. Pois o meu falecido blog nem sei mensurar há quanto tempo está morto!
No meu antigo blog, eu contava os meus “causos”, minhas trapalhadas, sei lá, na época as pessoas gostavam. A diferença é que agora acrescento a minha experiência como mãe.

Vamos lá, para quem não me conhece, um breve resumo…

Paciência não é a minha melhor virtude, sou um tanto quanto bocuda, posso dizer que melhorei muito, costumo falar o que penso, mas algumas vezes é necessário engolir tudo e guardar só pra mim, pois nem todos estão preparados pra me aguentar e essa coisa que todo mundo fala que gosta de gente sincera, me desculpem, mas é tudo mentira!!!
Imagina se eu for sincera 100% o tempo todo, ninguém me suportaria, kkkkkkk, os que me suportam hoje, já não são muitos né?

Saí da casa dos meus pais aos 21 anos e foi uma experiência de vida do caralho!!!
Afinal de contas, não saí de casa para morar na rua de trás da casa deles e eles continuarem a ajudando a pagar minhas contas.
Em resumo, ajeitei toda a papelada escondida dos meus pais e apenas avisei que estava indo embora pro Japão!!!
Foi um choque, uma briga sem fim, fiquei apenas um ano, mas essa história fica para um post em breve.

Conheci o Ednaldo (depois que voltei do Japão) e então, em um período de 1 ano e 2 meses, estávamos casados!!
Meus parentes todos achando que eu estava me casando por conta de uma gravidez… kkkk
Ficaram esperando o bebê nascer… e nasceu depois de 9 anos e 7 meses!

Porque demorei tanto pra ter filho???
Na realidade eu nem queria ter filho… Todo mundo torrava o meu saco o tempo todo, era um porre, todo mundo cobrando como se fosse uma obrigação.
Não entendo qual é a dificuldade das pessoas entenderem que um casal simplesmente pode optar por não ter filhos!!!
Não tenho vergonha nenhuma de falar que eu não queria!!! Isso não quer dizer que meu filho se sinta rejeitado por isso.
Por um descuido, aconteceu e vou falar… estou amando ser mãe!
Pedro veio ao mundo e passou 24 dias na UTI, que também será assunto para um próximo post.

Sou uma mãe meio retardada, eu sei…
Eu não tenho muita paciência pra ficar adulando toda hora, também não sou essas neuróticas que não pode isso, não pode aquilo, acho até que as vezes sou exagerada demais com a minha ‘tranquilidade’, mas não consigo ser diferente.
Pedro fica descalço, come com a mão suja, se suja muito (o pai pira), faço a lavagem com soro no nariz dele, todo mundo tem dó, menos eu ahahahahahaha, enfim…

Sou geniosa… beeeem geniosa, mas naquelas, não pisa no meu calo que tá tudo bem.
Não acredito naquela coisa que todo mundo fica falando: Ahhhh se me baterem na cara, eu dou o outro lado pra bater
O caralho!!! Se me der um tapa na cara, eu devolvo dois!!!
Tenho problemas de relacionamento com meus pais, com minha irmã, com meu cunhado…
Se a problemática sou eu, eu não sei dizer, mas eles com certeza devem dizer isso. ahahahahahahahhahaha
Ah! Esqueçam que meu blog não terá episódios como se fosse o programa do Ratinho, ok??

Não tenho vergonha de falar a respeito, em relação aos meus pais, sou bem resolvida!
Acho que problemas de relacionamento dentro da família é comum. todos tem, mas poucos assumem e admitem.
Cada um tem o seu ponto de vista, óbvio, mas minha consciência está tranquila!
O problema é que poucos entendem e respeitam a situação, ficam o tempo todo querendo forçar uma situação que não existe, sabe, coisa de Família Doriana? A hipocrisia?
Não tenho paciência não…. e também não fico lamentando.
Como eu sempre digo, essas experiências me fizeram acreditar que os laços sanguineos não dizem NADA!!!
Dessas experiências negativas, pra mim serve como aprendizado…

Enfim…

Esse é um brevíssimo resumo sobre mim.
Espero que gostem e acompanhem o meu blog e indiquem aos amigos!!!
Criei uma página no Facebook, o “Blog Éramos Dois” e conto com vocês para curtirem e convidar os amigos para curtirem também!

Estou aberta as opiniões e críticas, desde que sejam construtivas, porque na boa… se for pra ofender, não percam o tempo, parem de acompanhar o meu blog que tá tudo certo!!!